------------------------------------------------

Um ano após a mega-rebelião que deixou 14 mortos, facções dominam presídios do Ceará

Por Jornalista Fernando Ribeiro:  Em 21 de maio de 2016, explodiu a onda de motins simultâneos nos presídios da Grande Fortaleza com...

Por Jornalista Fernando Ribeiro: Em 21 de maio de 2016, explodiu a onda de motins simultâneos nos presídios da Grande Fortaleza coma deflagração da greve dos agentes penitenciários.

Um ano se passou desde a maior rebelião já registrada no Sistema Penitenciário do Estado do Ceará. Catorze presos foram assassinados. Dezenas ficaram feridas. Cadeias foram completamente destruídas. Passado um ano da turbulência, o sistema ainda apresenta resquícios do motim e as cadeias hoje estão loteadas e sob o domínio de quatro organizações criminosas: Primeiro Comando da Capital (PCC), Comando Vermelho (CV), Guardiões do Estado (GDE) e Família do Norte (FDN).

Era a manhã do dia 21 de maio de 2016, quando eclodiu o motim simultâneo em, pelo menos, cinco unidades do Sistema: as Casas de Privação Provisória da Liberdade (CPPLs), 1, 2 e 3,  todas em Itaitinga; além do Presídio do Carrapicho, em Caucaia; e o Instituto Presídio Feminino Desembargadora Auri Moura Costa, em Aquiraz.

Nas horas e dias seguintes, a revolta da massa carcerária se ampliou, atingido outras duas CPPLs (4 e 5),  o Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira 2 (IPPOO II), em Itaitinga; e a Penitenciária Estadual de Pacatuba. Em meio ao tumulto generalizado que se estendeu pelas unidades penais,  as facções criminosas PCC e Comando Vermelho aproveitaram a ocasião para um “ajuste de contas”, já que todas as grades das celas e pavilhões foram derrubadas.

Sem a barreira física que os separava dentro das cadeias, as duas organizações criminosas partiram para o confronto. Era a hora das ameaças entre os criminosos serem  concretizadas. Cenas macabras foram postadas pelos próprios detentos e seus familiares nas redes sociais. Os atos de selvageria incluíram desde homens sendo decapitados ou esquartejados a outros queimados vivos envoltos em colchões e lençóis, cenas medievais da crueldade imposta pelo crime.

Fumaça e mortes

A mega-rebelião que irrompeu na manhã de 21 de maio de 2016 teve como agravante e estopim a deflagração de uma greve anunciada antecipadamente pelos agentes penitenciários. Durante cinco meses a categoria tentou negociar com o Governo do Estado a solução para suas reivindicações (aumento salarial, melhores condições de trabalho e concursos para o ingresso de novos profissionais). Não conseguiu.

Na manhã daquele sábado fatídico, os presídios entraram em “guerra” e logo as colunas de fumaça podiam ser vistas a quilômetros do Complexo Penal de Itaitinga, nas margens da BR-116.  A suspensão das visitas (por conta da greve dos agentes) foi o combustível que faltava para que as facções criminosas iniciassem a guerra dentro das cadeias.

Do lado de fora das CPPLs os familiares dos presos também “fizeram a sua parte”, bloqueando as BRs 116 (em Itaitinga e Aquiraz) e 020 (em Caucaia), impedindo o trânsito e mostrando a revolta colocando fogo em pneus, formando barricadas e entrando em confronto com a tropa do Batalhão de Choque da PM, que disparou granadas de gás  lacrimogêneo e balas de borracha.

A destruição foi completa em alguns presídios e parcial em outros. O governo estadual pediu ajuda ao federal. Uma semana depois, uma tropa da Força Nacional de Segurança chegou ao Ceará com a missão de ajudar a PM a colocar a casa em ordem. O efetivo da FNS foi substituído, depois, pela Força Federal de Intervenção Penitenciária (FIP), um grupo de elite de agentes penitenciários especialistas em gerenciamento de crise  e retomada da ordem e disciplina em presídios rebelados.

Do que restou da mega-rebelião foram dúvidas sobre o número real de mortos (até hoje os familiares de presos dizem que muitos ainda estão desaparecidos), a reconstrução da estrutura física das cadeias e a retaliação do governo e do Ministério Público Estadual contra os servidores que teriam liderado a greve dos agentes penitenciários. Nove deles estão sendo processados e correm o risco de serem demitidos do Serviço Público.

Facções no comando

Com a retomada das cadeias, o governo acabou se rendendo a outra imposição do crime, teve que “lotear” o sistema, separando as facções por presídio. O PCC foi isolado na CPPL 3. O Comando Vermelho ficou com a CPPL 2 e a Guardiões do Estado (GDE) está no Presídio do Carrapicho.

Os recentes atentados nas ruas de Fortaleza e Região Metropolitana, que paralisaram o sistema de transporte coletivo (com mais de 20 ônibus incendiados) e atacaram as bases da Segurança Pública (delegacias metralhadas), foram contidos após uma negociação que resultou na transferência de presos e isolamento das facções.  O clima no sistema, porém, é de tensão permanente.

Nas duas últimas semanas, dois ataques externos, com tiroteios, resultaram em fugas coletivas na CPPL 3, onde estão os membros do PCC. Além disso, a Polícia Militar desmontou um plano que foi elaborado pelo alto comando da facção, em São Paulo, para resgatar da cadeia os principais líderes locais da organização criminosa

Reproduzido por MassapeCeara.Com|Créditos: Jornalista Fernando Ribeiro via Ceara News
Nome

DESTAQUE ENTRETENIMENTO ESPORTE MUNDO OUTRAS POLICIA POLITICA REGIAO SAÙDE TECNOLOGIA VIDEO
false
ltr
item
MassapeCeara.com: Um ano após a mega-rebelião que deixou 14 mortos, facções dominam presídios do Ceará
Um ano após a mega-rebelião que deixou 14 mortos, facções dominam presídios do Ceará
https://3.bp.blogspot.com/-4fWVppLhXeY/WSGteKafxKI/AAAAAAAAigA/USyrgxVg7LwSbBlMXjoxzeVmDIsyPSO0ACK4B/s320/Cr%25C3%25A9ditos%2BMassapeCeara.com002-2017-05-21.jpg
https://3.bp.blogspot.com/-4fWVppLhXeY/WSGteKafxKI/AAAAAAAAigA/USyrgxVg7LwSbBlMXjoxzeVmDIsyPSO0ACK4B/s72-c/Cr%25C3%25A9ditos%2BMassapeCeara.com002-2017-05-21.jpg
MassapeCeara.com
http://www.massapeceara.com/2017/05/um-ano-apos-mega-rebeliao-que-deixou-14.html
http://www.massapeceara.com/
http://www.massapeceara.com/
http://www.massapeceara.com/2017/05/um-ano-apos-mega-rebeliao-que-deixou-14.html
true
6199378621188747977
UTF-8
Não foram encontrados posts VER TUDO Mais informação Resposta Cancelar resposta Excluir De Inicio PÁGINAS POSTAGENS Ver tudo tudo RECOMENDADO PARA VOCÊ RÓTULO ARQUIVO SEARCH TODAS AS PUBLICAÇÕES TODAS Não foram encontrados resultados com a sua mensagem Back Home Domingo Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Quinta Sexta-feira Sábado Dom Se Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago Mais de 5 semanas atrás Seguidores Segue ESTE CONTEÚDO É PREMIUM Compartilhe para desbloquear Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para a área de transferência Não é possível copiar os códigos / textos, por favor pressione [CTRL] + [C] (ou CMD + C com Mac) para copiar